Com a crise econômica e os apelos da população por mais moralidade e ética na administração pública, Câmaras Municipais de várias cidades adotaram em 2017 várias medidas para reduzir gastos. Basta uma ida ao Google para constatar que os primeiros cortes consistem na extinção ou redução de diárias.

Em Realeza (PR), os parlamentares em outubro aprovaram o Projeto de Lei de autoria do presidente Cláudio de Oliveira (PSD), que acaba com a concessão de diárias aos vereadores e servidores do legislativo. A partir de agora os vereadores e servidores receberão apenas o ressarcimento de despesas durante as viagens realizadas.

A Câmara de Guarantã do Norte (MT) aprovou em março um Projeto de Resolução de autoria da mesa diretora, reduzindo o valor da diária dos vereadores em mais de 30%. Os parlamentares recebiam diárias de 540 reais. Já para o presidente da casa, o valor pago era de 600 reais. Com a aprovação do projeto as diárias foram fixadas em 350 reais para os vereadores e 400 reais para o presidente.

Em Quaraí (RS), os vereadores aprovaram em fevereiro a extinção do pagamento de diárias para viagens do legislativo. O projeto foi aprovado por unanimidade. O gasto de uma diária por vereador era de 280 reais. De agora em diante, os deslocamentos são ressarcidos mediante rigorosa prestação de contas.

A justificativa dos presidentes e vereadores dessas Câmaras foi o preceito republicano da moralidade pública.

Enquanto isso, em Itabirito o escárnio e o deboche reinam por parte de vereadores e servidores para com os gastos em diárias e passagens. Vamos aos fatos, de fevereiro até novembro aqui se gastaram 1.235.135,66 reais em diárias, passagens e inscrições em cursos.

E para refrescar a memória dos leitores, o vereador campeão de gastos foi Renê Butekus, responsável por utilizar 57.600 reais. O vereador Ricardo Oliveira não gastou nenhum valor. Já entre os servidores, o diretor parlamentar Adalberto Pereira Júnior, com gastos de 45.360 reais foi o primeiro lugar disparado, ficando inclusive acima de alguns vereadores.

Ao invés de se promover uma caça às bruxas à empresa de transporte Serra Verde, eu sugiro aos militantes da UJS a organização de uma audiência pública para debater com os vereadores e a população a adoção de medidas urgentes para se extinguir ou reduzir os gastos com diárias e passagens na Câmara Municipal de Itabirito.